segunda-feira, 26 de dezembro de 2016

O presente ideal para o próximo Natal


Uma tábua de cozinha com os diferentes tipos de faca e respectivas utilizações. Simples e muito útil.

domingo, 18 de dezembro de 2016

Batata frita, para agitar e pensar

À medida que os tempos avançam inexoravelmente, cresce também a nossa soberba acerca do conhecimento das coisas. O caso das batatas fritas demonstra bem como é verdade que quanto maior é a bola do que já sabemos, maior é a fronteira com o que desconhecemos.

Mais uma acha para a fogueira, acerca da expressão “french fries”. De repente, espécie de sabedoria instantânea, parece que vem do tempo da II Grande Guerra, quando os soldados belgas francófonos ofereceram batatas fritas da sua lavra aos soldados americanos achando estes que se tratava de franceses. A autoria da batata frita vai mesmo continuar a ser belga, até ver. Não que seja importante, note-se, mas há dúvidas que se nos incrustam quase na alma, nunca mais nos dando sossego. A coisa boa da regulação do poder paternal da batata palito levada a fritar é que já tem mais de cem anos e ainda não se sabe em que casa irá ficar.
Há um artigo publicado no jornal belga de Liège no dia 14 de Novembro de 1900, por um tal Bertholet, que para mais era um pseudónimo - o verdadeiro autor até hoje não se conseguiu saber quem era – que estabelece parâmetros de pesquisa que permanecem, nos dias de hoje, nas agendas de quem se ocupa e preocupa com as coisas de comer. O postulado principal de Bertholet, imagine-se, era de que a batata frita tinha nascido na Rússia, porque, afirmava ele, era o nome que encontrava inscrito nos pacotes que circulavam na feira anual de Liège, dentro dos quais estavam os famosos palitos de batata dourados. Acontece porém que a marca resultou apenas de uma exploração comercial da guerra da Criméia, inventada por um tal de Fritz, industrial de meados do Séc. XIX. Os pacotes grandes tinham a marca “Russas”, enquanto os pequenos eram os “Cossacas”. Com o passar do tempo, esta última marca acabou por desaparecer, mas as “russas” mantiveram-se impantes e gloriosas no mercado. Era pois natural que o precipitado Bertholet jurasse a pés juntos que as batatas fritas tinham sido inventadas na Rússia. Nada mais nada menos que a força de uma marca em acção. Força que todos experimentamos em inúmeras coisas que comemos e nomeamos. Derrotado o argumento, e com o fulgor renovado no dealbar do Séc. XX, o debate acendeu-se, com publicações diversas em jornais, revistas e artigos até de índole científica. Marie Delcourt, académica belga acaba mesmo por afirmar e supostamente demonstrar, em 1961, que a batata frita tinha chegado à Bélgica pela mão dos exilados franceses do segundo império. Havia vários relatos de grandes travessas de cerâmica que no final da refeição, em Paris, eram colocadas no centro da mesa, contendo “batatas fritas, louras, crocantes e ao mesmo tempo macias”. Neste caso, reforçava-se a ideia de que se tratava de um costume estritamente parisiense, e a sua produção era como havia indicado Brillat-Savarin, assentando no sábio a forma correcta de as comer: à mão, e com uma taça de sal ao lado para as salgar a gosto. Estamos em meados do Séc. XIX, e Paris era a capital do requinte, além de ponto de convergência do que era novo. Coisa chique e rara, portanto, e totalmente desconhecida dos belgas, até que supostamente os proscritos de 1851 do regime, forçados ao exílio na vizinha Bélgica, levaram as “frites” para Bruxelas. Sabemos que franceses e belgas ainda hoje não morrem de amor uns pelos outros e claro que isso vem de trás. A tese de que os franceses expulsos é que fizeram as bases da cozinha belga é não só uma forma de fazer destemperar instantaneamente o belga mais fleumático como também um sentimento nacional francês. Mas no caso das batatas fritas há uma troca de datas e um erro de sobreposição de cronologias de meia dúzia de anos, não mais, e que é suficiente para indicar que quando as batatas fritas chegaram pela mão dos franceses à Bélgica… já lá estavam, graças ao jeito para o negócio do “tal” Fritz, o mesmo das “russas” e das “cossacas”.
O único lugar que resiste às investidas da investigação histórica é mesmo a Bélgica, mais especificamente a Valónia (parte francesa do país). Terá sido cerca de 1680 que a batata frita foi inventada, segundo a belga Jo Gérard, apoiada no relato deixado por um seu antepassado, Joseph Gérard, com a data de 1781 e que é impossível não considerarmos, ainda hoje, notável. Resumidamente, dizia que os habitantes dos povoados ribeirinhos de Namur, Andenne e Dinant, ficavam no inverno privados do privilégio de pescar no seu rio Meuse por este congelar totalmente. Costumavam as gentes fritar os peixes que pescavam e então, relata Gérard, pegavam em batatas, cortavam-nas com a forma de peixinhos e fritavam-nas, para fazer as vezes do pescado à mesa. Diz ainda no mesmo documento que o hábito tinha já pelo menos 100 anos, portanto cerca de 1680. Isto é que já vinha estragar a tese toda, porque a batata só chegou a Namur cerca de 1735… As investigações acabaram por dar com invernos muito rigorosos e gelados em 1739 e 1740 e, descontadas as hipérboles e emoções literárias, na verdade a primeira vez que se esculpiu e fritou peixinhos de batata terá sido em 1739, e não em 1680. Temos, assim, uma data e local de nascimento. Será? Nem por isso. Há um problema… económico por resolver.

Pesquisa interminável?

Consta de todos os compêndios, manuais e dicionários que “fritar” implica a imersão num banho de gordura a alta temperatura. Aqui é que a porca torce o rabo, porque a gordura era qualquer coisa de raro, disponível apenas entre os mais abastados, e o relato de Gérard é sobre costumes de camponeses, de poucas posses. A manteiga era muito cara, a banha animal era rara e as gorduras vegetais consumiam-se com muita contenção. As pessoas que viviam do campo comiam as gorduras barradas no pão, ou no fundo de uma sopa, jamais haveria a quantidade necessária para levar ao lume um grande recipiente para fritar batatas. Descobriu-se que mesmo na casa mais humilde do Séc. XVIII havia uma frigideira, que se utilizava para saltear, a temperaturas relativamente baixas e por pouco tempo. As tais figurinhas de batata tinham afinal um destino que era pouco mais que salteá-las. Não se tratava de fritura. De novo no escuro, em relação a este mistério! Não se fazia nas casas mais abastadas, porque a batata não tinha estatuto de grande iguaria. Nas cozinhas mais humildes, era impossível e na pouca gordura que se colocava na frigideira não se conseguia fritar.
É aqui que ressurge o nosso Fritz, com que se iniciou esta peça. A única solução possível era de facto uma economia de escala. Conseguindo-se produzir uma grande quantidade de batatas fritas que depois se pudessem vender a preços acessíveis, em doses individuais, aí já era viável. Foi de feira em feira que o genial Fritz popularizou as suas batatas fritas. Teve um sucesso sem precedentes, o jovem… Frédéric. Pois é, o seu génio comercial era tal, que mudou o seu nome para um outro, que se pronunciasse como “frites”. Além disso, o seu primeiro grande mercado rapidamente foi o alemão, onde a batata frita – inicialmente em rodelas, depois em ambos os formatos – foi acolhida de braços abertos, bastante antes da Bélgica e França. Ora que nome mais apropriado que Fritz para o novo negócio? Não tardaria muito, contudo, que as gentes da Flandres e da Valónia se rendessem totalmente à maravilha produzida a partir do tubérculo que se tinha na conta de reles e inútil! Rapidamente a tenda de lona do empresário deu lugar a um stand robusto com mesas e painéis decorativos e em meados do Séc. XIX, para evitar os riscos de incêndio acarretados pela fritura em banha, passou a fritar as batatas em manteiga clarificada e as pessoas lá iam, bem postas, sentar-se e comer… batatinhas fritas. Les frites… de Fritz!

Frituras, variedades e outros

Fomos ter com José Campos, da Campos Silvestres, no Bombarral, para saber que tipo de batata seria a ideal para fritar. A variedade Agria tem sido considerada a melhor, mas hoje recomenda também a Laura, menos conhecida. A primeira é de casca branca, a segunda de casca vermelha, o que só por si deita por terra a regra – falsa, já se vê - que diz que as brancas são para fritar e as vermelhas para cozer. O conhecimento verdadeiro vive sobretudo e realmente de excepções. O que é então uma boa batata para fritar? A de polpa amarela, coloração que decorre do elevado teor em amido. Fritas ou em puré são as melhores. Já para cozer, deve utilizar-se as de polpa branca, menos ricas em amido e com mais açúcares de cadeia curta, escurecendo por isso se dadas à fritura. Aqui, a variedade Jaerla é, segundo o especialista, a melhor, por ser também rica em sabor. Na dúvida, devemos optar pela Picasso, vulgarmente conhecida como “olho de perdiz”. Essa dá para as duas funções, fritar ou cozer.
Da fritura propriamente dita, pouco há a dizer, porque as técnicas são inúmeras. Ficou celebrada como “à belga” a das duas frituras – 150ºC e depois de descansar, 180ºC – mas há muitas técnicas diferentes. A cozinha conhecida como “modernista” aconselha a cozedura prévia da batata em vácuo e fritura rápida por imersão para lhe dar textura. Nós por cá fazêmo-las normalmente secando-as em panos depois de descascadas e cortadas, e uma fritura simples em óleo de girassol a cerca de 180ºC. Mas isso é a gente a falar. Ainda precisávamos de saber quem inventou afinal a fritura dos alimentos. E isso é outra conversa.

sábado, 3 de dezembro de 2016

As três grandes cozinhas do mundo

Assumidas e explicadas por Paul Bocuse: francesa, chinesa e turca.

quinta-feira, 24 de novembro de 2016

Estrelas Michelin 2017

Estamos em festa e estamos no mapa!

Enquanto amornam ainda as novas estrelas que nos calharam, há sobretudo que festejar. Primeiro, o triunfo colectivo de chefs, empresários e empregados que parecem ter finalmente entendido que só avançando em bloco chegamos a algum lado. Segundo, a supremacia do que está no prato - a comida propriamente dita -, de um nível muito elevado, com um recorte técnico que apesar do que se diz sempre que se fala de Michelin nos coloca muito no gosto português. E finalmente, ver distinguidos grandes profissionais que são também grandes apaixonados pelo seu ofício.
Era inevitável a subida do Yeatman, em Gaia, para as duas estrelas. Trabalha-se muito naquela casa, tanto nos vinhos - Beatriz Machado - como na comida - Ricardo Costa. São dois colossos a trabalhar, quase biónicos. Muitos conhecem o restaurante apenas pelos jantares vínicos semanais que acontecem com produtores afectos ao projecto hoteleiro do Yeatman. Aconselho sempre a visita ao restaurante, é uma grande experiência. E raiava já a injustiça não conceder a segunda também ao Il Gallo d’Oro, no Funchal. Benoit Sinthon na cozinha, Sérgio Marques nos vinhos, oferecem todo um programa inesquecível em cada refeição.
Desenrolando os novos “uma estrela”, ainda no Funchal, no mítico hotel Reid’s Palace, rebenta a estrela que terá surpreendido mais gente, por não ser local de passagem evidente de quem vai à Madeira. É o William, restaurante coordenado por Joachim Koerper, cozinha a cargo de outro grande obreiro, Luís Pestana. Fiz uma única refeição depois da última remodelação, que de resto conduziu ao novo nome. Finalmente reconhecido o labor de Rui Paula, na Casa de Chá da Boa Nova, em Leça da Palmeira, merece e faz por merecer desde há muito, com uma equipa de sonho que não arreda pé. Vítor Matos, do Antiqvvum, no Porto, também vê o seu mérito reconhecido pela nova estrela, assunto que não lhe é desconhecido, já que oficiou outrora na Casa da Calçada em Amarante. Recupera a estrela Miguel Laffan, no L’And Vineyard, em Montemor-o-Novo, assim agora se mantenha porque muita gente não chegou a conhecer a sua arte. Ganha estrela o Lab, de Sergi Arola, no Penha Longa, em Sintra, abordagem vanguardista disponível em declinações de grande recorte técnico, a visitar. O novo Alma de Henrique Sá-Pessoa, em Lisboa, recebe a estrela mais que merecida, o cozinheiro e esteta do sabor há muito que aí anda, foi notável a forma como orientou o restaurante para merecer a distinção estrelada. Alexandre Silva, no Loco, também em Lisboa, montou uma cozinha consistente, apoiada em fusão de técnicas e grande controlo de extracções e caldos, numa lógica informal e muito exposta, tudo acontece à nossa frente. Grande equipa, grande sommelier, Sérgio Antunes, que faz o impossível na harmonização com os pratos.
São as novas estrelas. Espanha - o guia é conjunto de Portugal e Espanha - teve 1 novo 3 estrelas, 5 novos 2 estrelas e 15 novos 1 estrela. Mantém-se por isso o afastamento crescente, sem razão alguma. Tínhamos o dobro para dar, porque estamos melhor que nunca. Importante é estarmos definitivamente no mapa. E em festa.

Deixo abaixo a lista geral do Guia Vermelho Michelin Portugal/Espanha 2017


3 estrelas

NUEVO: Lasarte (Barcelona)
El Celler de Can Roca. Chef: Joan Roca (Girona)
Arzak. Chef: Juan Mari Arzak (Guipúzcoa)
Akelarre. Chef: Pedro Subijana (Guipúzcoa)
Martín Berasategui. Chef: Martín Berasategui (Guipúzcoa)
Sant Pau. Chef: Carme Ruscalleda (Barcelona)
Diverxo. Chef: David Muñoz (Madrid)
Azurmendi. Eneko Atxa (Larrabetzu, Vizcaya)
Quique Dacosta. (Dénia, Alicante)


2 estrelas

NUEVO: L´Escaleta (Cocentaina, Alicante)
NUEVO: DSTAgE (Madrid)
NUEVO: Annua (San Vicente de la Barquera, Cantabria)
NUEVO: Cenador de Amós (Villaverde de Pontones, Cantabria)
NUEVO: BonAmb (Xàbia, Alicante)
NUEVO: Il Gallo d´Oro (Funchai, Madeira)
NUEVO: The Yeatman (Vila Nova de Gaia, Porto)

MADRID

Coque (Humanes, Madrid)
La Terraza del Casino (Madrid)
El Club Allard (Madrid)
Ramón Freixa (Madrid)
Santceloni (Madrid)

ISLAS BALEARES

Zaranda (Mallorca)

ANDALUCÍA

Aponiente (Cádiz)
Dani García (Málaga)

ISLAS CANARIAS

M.B. by Martín Berasategui (Santa Cruz de Tenerife)

LA RIOJA

El Portal (La Rioja)

CATALUÑA

Abac (Barcelona)
Miramar (Girona)
Les Cols (Girona)
Enoteca (Barcelona)
Moments (Barcelona)

PAÍS VASCO

Mugaritz (Guipuzcoa)

EXTREMADURA

Atrio (Cáceres)

ASTURIAS

Casa Marcial (Asturias)

PORTUGAL

Vila Joya (Albufeira, Portugal)
Ocean (Armaçao de Pêra, Portugal)
Belcanto (Lisboa, Portugal)


1 estrela

NUEVO: Céleri (Barcelona)
NUEVO: Xerta (Barcelona)
NUEVO: Ca l´Arpa (Banyoles)
NUEVO: La Boscana (Bellvís)
NUEVO: L´Antic Molí (Ulldecona)
NUEVO: A´Barra (Madrid)
NUEVO: Gaytán (Madrid)
NUEVO: El Invernadero (Collado Mediano, Madrid)
NUEVO: Raúl Resino (Benicarló)
NUEVO: Sents (Ontinyent)
NUEVO: Cobo Vintage (Burgos)
NUEVO: Noor (Córdoba)
NUEVO: Baluarte (Soria)
NUEVO: Adrián Quetglas (Palma)
NUEVO: Argos (Port de Pollença)
NUEVO: Casa de Chá da Boa Nova (Leça da Palmeira, Portugal)
NUEVO: Alma (Lisboa, Portugal)
NUEVO: Loco (Lisboa, Portugal)
NUEVO: Willian (Madeira/Funchal, Portugal)
NUEVO: L´And Vineyards (Montemor-o-Novo, Portugal)
NUEVO: Antiqvvm (Porto, Portugal)
NUEVO: Lab by Sergi Arola (Sintra, Portugal)

ANDALUCÍA

Kabuki Raw (Casares, Málaga)
Sollo (Fuengirola, Málaga)
Messina (Marbella, Málaga)
Acanthum (Huelva)
José Carlos García (Málaga)
Choco (Córdoba)
El Lago (Marbella, Málaga)
La Costa (El Ejido, Almería)
Abantal (Sevilla)
Skina (Marbella, Málaga)
Alejandro (Almería)

ARAGÓN

La Prensa (Zaragoza)
Hospedería El Batán (Tramacastilla, Teruel)
Tatau Bistro (Huesca)
Lillas Pastia (Huesca)
Las Torres (Huesca)

ASTURIAS

El Corral del Indianu (Arriondas, Asturias)
Auga (Gijón)
La Salgar (Gijón)
El Retiro (Asturias)
Casa Gerardo (Prendes, Asturias)
Real Balneario (Salinas, Asturias)
Arbidel (Asturias)

BALEARES

Can Dani (Formentera)
Jardín (Port d’Alcúdia, Mallorca)
Bou (Sa Coma, Mallorca)
Andreu Genestra (Mallorca)
Es Racó d’es Teix (Deiá, Mallorca)
Simply Fosh (Mallorca)
Es Fum (Palmanova, Mallorca)

ISLAS CANARIAS

Kabuki (Guía de Isora, Santa Cruz de Tenerife)
El Rincón de Juan Carlos (Los Gigantes, Tenerife)
Kazan (Tenerife)

CANTABRIA

Solana (Ampuero, Cantabria)
El Nuevo Molino (Puente Arce, Santander)
El Serbal (Santander)

CASTILLA LA MANCHA

Maralba (Almansa, Albacete)
El Bohío (Illescas, Toledo)
El Carmen de Montesión (Toledo)
Tierra (Toledo)

CASTILLA Y LEÓN

Refectorio (Valladolid)
La Lobita (Soria)
La Botica (Valladolid)
El Ermitaño (Benavente, Zamora)
Cocinandos (León)
Víctor Gutiérrez (Salamanca)
Villena (Segovia)

CATALUÑA

Disfrutar (Barcelona)
Hoja Santa (Barcelona)
Tresmacarrons (El Masnou, Barcelona)
Emporium (Castelló d’Empuries, Girona)
Alkimia (Barcelona)
Caelis (Barcelona)
Cinc Sentits (Barcelona)
Dos Cielos (Barcelona)
Gaig (Barcelona
Hisop (Barcelona)
Hofmann (Barcelona)
Sala (Olost, Barcelona)
Roca Moo (Barcelona)
Via Veneto (Barcelona)
Els Casals (Sagás, Barcelona)
Angle (Barcelona)
Capritx (Tarrasa, Barcelona)
Estany Clar (Cercs, Barcelona)
Can Jubany (Calldetenes, Barcelona)
La Cuina de San Simon (Tossa de Mar, Girona)
Ca l’Enric (La Val de Vianya, Girona)
Bo.Tic (Corsà, Girona)
Massana (Girona)
La Fonda Xesc (Gombrén, Girona)
Els Tinars (Llagostera, Girona)
Villa Retiro (Xerta, Tarragona)
Rincón de Diego (Cambrils, Tarragona)
Can Bosch (Cambrils, Tarragona)
Les Magnòlies (Arbúcies, Girona)
Dos Palillos (Barcelona)
Koy Shunka (Barcelona)
Lluerna (Santa Coloma de Gramanet, Barcelona)
Nectari (Barcelona)
Pakta (Barcelona)
Fogony (Sort, Lleida)
Les Moles (Tarragona)
Tickets (Barcelona)
L’Ó (Sant Fruitós de Bages, Barcelona)
Casamar (Llafranc, Girona)
Els Brancs (Platja de Canyelles Petites, Girona)
Malena (Lleida)

GALICIA

Casa Marcelo (Santiago)
Nova (Ourense)
Yayo Daporta (Cambados, Pontevedra)
A Estación (Cambre, La Coruña)
Alborada (La Coruña)
As Garzas (Malpica de Bergantiños, La Coruña)
Retiro da Costiña (Santa Comba, La Coruña)
Árbore da Veira (A Coruña)
Solla (Poio, Pontevedra)
Pepe Vieira Camiño da Serpe (Raxo, Pontevedra)
Maruja Limón (Vigo)
Culler de Pau (Pontevedra)

MADRID

Lúa (Madrid)
La Cabra (Madrid)
Álbora (Madrid)
Punto MX (Madrid)
Montia (Madrid)
Chirón (Valdemoro, Madrid)
Kabuki (Madrid)
Kabuki Wellington (Madrid)

MURCIA

Cabaña Buenavista (Murcia)

NAVARRA

Europa (Pamplona)
Rodero (Pamplona)
El Molino de Urdániz (Urdaitz, Navarra)

PAÍS VASCO

Zarate (Bilbao)
Elkano (Guipúzcoa)
Boroa (Amorebieta, Vizcaya)
Etxebarri (Axpe, Vizcaya)
Etxanobe (Bilbao)
Nerua (Bilbao,Vizcaya)
Mina (Bilbao, Vizcaya)
Zortziko (Bilbao)
Kokotxa (San Sebastián)
Mirador de Ulía (San Sebastián)
Alameda (Fuenterrabía, Guipúzcoa)
Andra Mari (Galdácano, Vizcaya)
Zuberoa (Oyarzun, Guipúzcoa)
Zaldarián (Vitoria)
Marqués de Riscal (Elciego, Álava)

LA RIOJA

Venta Moncalvillo (Daroca de Rioja, La Rioja)

COMUNIDAD VALENCIANA

Casa Manolo (Valencia)
Riff (Valencia)
Monastrell (Alacant)
La Sucursal (Valencia)
La Finca (Elche, Alicante)
El Poblet (Valencia)
Ricard Camarena (València)
Cal Paradís (Castelló)
Casa Pepa (Ondaira, Alicante)

PORTUGAL

São Gabriel (Almancil, Portugal)
Henrique Leis (Alamcil, Portugal)
Bon Bon (Carvoeiro, Portugal)
Willie´s (Quarteira, Portugal)
Pedro Lemos (Porto, Portugal)
Fortaleza do Guincho (Cascais, Portugal)
Eleven (Lisboa, Portugal)
Feitoria (Lisboa, Portugal)
Largo do Paço (Amarante, Portugal)


Pierden la Estrella Michelin

2 estrellas: Sergi Arola Gastro (Madrid) por Cierre del restaurante
1 estrella: Las Rejas (Las Pedroñeras, Cuenca) por Cierre del restaurante
1 estrella: Casa José (Aranjuez, Madrid)
1 estrella: Silabario (Tui, Pontevedra)

domingo, 7 de agosto de 2016

Charutos Mini

I. Balmoral Añejo XO
Petit Robusto


Blend
Fabricado: Rep. Dominicana

Capa: Brasil
Capote: Rep. Dominicana
Miolo: Brasil
Dimensões: 111x19,05 mm
Tipo: Robusto
Fabricante: Agio
PVP indicativo: 7,5 euros

Aroma: 7
Potência: 8
Persistência: 7

Classificação: ****



II. Davidoff
Winston Churchill
Petit Panetela


Blend
Fabricado: Rep. Dominicana

Capa: Equador
Capote: México
Miolo: Rep. Dominicana
Dimensões: 102x15,08 mm
Tipo: Petit panetella
Fabricante: Oettinger Davidoff
PVP indicativo: 6 euros

Aroma: 7
Potência: 9
Persistência: 8

Classificação: ****



III. Davidoff Nicaragua
Short Corona


Puro Nicaragua
Fabricado: Rep. Dominicana

Capa: Nicarágua
Capote: Nicarágua
Miolo: Nicarágua
Dimensões: 95x18,26 mm
Tipo: Corona gorda
Fabricante: Oettinger Davidoff
PVP indicativo: 10,5 euros

Aroma: 9
Potência: 8
Persistência: 10

Classificação: *****



IV. Macanudo Inspirado
Gordito


Blend
Fabricado: Honduras

Capa: Honduras
Capote: Honduras
Miolo: Honduras, Nicarágua e Rep. Dominicana
Dimensões: 114x21,03 mm
Tipo: Robusto
Fabricante: Scandinavian Tobacco Group
PVP indicativo: 7,4 euros

Aroma: 7
Potência: 7
Persistência: 7

Classificação: ****



V. Macanudo 1968
Titan


Blend
Fabricado: Rep. Dominicana

Capa: Honduras
Capote: Connecticut
Miolo: Rep. Dominicana, Honduras
Dimensões: 102x23,81 mm
Tipo: Short
Fabricante: Scandinavian Tobacco Group
PVP indicativo: 7,6 euros

Aroma: 7
Potência: 8
Persistência: 8

Classificação: ****



VI. Nub Sun Grown
466


Puro Nicarágua
Fabricado: Nicarágua

Capa: 6
Capote: 6
Miolo: 7
Dimensões: 103x27 mm
Tipo: Short Robusto
Fabricante: Oliva
PVP indicativo: 11 euros

Aroma: 6
Potência: 6
Persistência: 7

Classificação: ***



VII. Pléiades XX Aniversaire
Petit Belicoso


Blend
Fabricado: Rep. Dominicana

Capa: Equador
Capote: Rep. Dominicana
Miolo: Rep. Dominicana
Dimensões: 95x22,6 mm
Tipo: Figurado
Fabricante: Imperial Tobacco
PVP indicativo: 7,8 euros

Aroma: 6
Potência: 5
Persistência: 5

Classificação: ***



VIII. Flor de Copan
Short Robusto


Blend
Fabricado: Honduras

Capa: Equador
Capote: Honduras
Miolo: Honduras
Dimensões: 100x19,9 mm
Tipo: Petit Robusto
Fabricante: Imperial Tobacco
PVP indicativo: 6,5 euros

Aroma: 7
Potência: 8
Persistência: 8

Classificação: ****



IX. Hoyo de Monterrey
Petit Robustos


Puro Havano
Fabricado: Cuba

Capa: Cuba
Capote: Cuba
Miolo: Cuba
Dimensões: 102x19,9 mm
Tipo: Petit Robusto
Fabricante: Habanos
PVP indicativo: 9,1 euros

Aroma: 7
Potência: 8
Persistência: 8

Classificação: ***



X. Partagas
Serie D N.º 6


Puro Havano
Fabricado: Cuba

Capa: Cuba
Capote: Cuba
Miolo: Cuba
Dimensões: 90x19,9 mm
Tipo: Petit Robusto
Fabricante: Habanis
PVP indicativo: 8,8 euros

Aroma: 8
Potência: 9
Persistência: 7

Classificação: ****



XI. Romeo y Julieta
Short Churchill


Puro Havano
Fabricado: Cuba

Capa: Cuba
Capote: Cuba
Miolo: Cuba
Dimensões: 124x19,9
Tipo: Robusto
Fabricante: Habanos
PVP indicativo: 10,8 euros

Aroma: 9
Potência: 8
Persistência: 8

Classificação: ****(*)



XII. H. Upmann
Half Corona


Puro Havano
Fabricado: Cuba

Capa: Cuba
Capote: Cuba
Miolo: Cuba
Dimensões: 90x17,5 mm
Tipo: Half Corona
Fabricante: Habanos
PVP indicativo: 4,5 euros

Aroma: 8
Potência: 7
Persistência: 7

Classificação: ****

(Sel. L'Amateur de Cigare Jul/Ago 2016)

quarta-feira, 15 de junho de 2016

Barca Velha 2008

Está confirmado. 2008 é ano de Barca Velha.

sábado, 14 de maio de 2016

Clara, claro.

A clara do ovo contém albumina, em cerca de dois terços do peso total do ovo. Tem também 92% de água, o resto é proteínas, minerais, vitaminas, gordura e glucosa. A proteína mais importante é a ovalbumina, que é a "despensa" de recurso do embrião que se forma no interior do ovo no processo de gestação. Quando batidas, as claras mantêm a água no recipiente, mas há uma fuga das regiões hidrofóbicas para longe das moléculas de água e é por isso que em contacto com o ar formam a espuma que se conhece. É uma transformação notável, porque mantém o peso total mas consegue uma estrutura leve e muito estável, as claras batidas em castelo, base fundamental de pastelaria e muitas outras preparações culinárias.